Educação no campo e escolas em zonas rurais



O que é Educação no campo?

Educação no campo é uma modalidade da educação que ocorre em espaços denominados rurais. Diz respeito a todo espaço educativo que se dá em espaços da floresta, agropecuária, das minas e da agricultura e ultrapassa, chegando também aos espaços pesqueiros, a populações ribeirinhas, caiçaras e extrativistas.

Existem escolas em zonas rurais?

Sim. O Brasil possui mais de 70 mil escolas públicas localizadas em zonas rurais, é o que aponta o último censo escolar, realizado em 2013. Nessas escolas, de acordo com a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, o sistema de ensino deve ser adequado às peculiaridades da vida rural, assegurando conteúdos e metodologias adaptados aos interesses da população do campo. No entanto, essa ainda é uma realidade distante: faltam recursos, financeiros e pedagógicos, professores especializados e transporte público de qualidade que garanta a frequência dos estudantes.

Qual o maior desafio da Educação no campo?

São muitos os desafios para garantir uma Educação no campo de qualidade no Brasil. O principal desafio é a adequação do conteúdo a realidade rural, que passa por um outro desafio que o subordina, a capacitação docente. A preparação efetiva do professor para compreender que ele está desenvolvendo uma outra linha pedagógica, um outro conjunto de ações, um outro pensamento sobre aula, sobre conteúdos, avaliações.

Como foi avaliada a formação atual de professores para áreas rurais?

No momento o Brasil está passando por um processo interessante de discussão e finalmente percebendo que é preciso investir em uma formação diferenciada para professores que trabalham em escolas do campo. Este é um avanço que estamos tendo. Existe hoje uma formação especial para os professores que desejam atuar nesta área porém, somente em algumas das grandes cidades do País, o que dificulta a formação especializada novos profissionais.

Qual a diferença da docência na área rural para a docência na área urbana?

Existem várias diferenças. Uma delas é a quantidade de alunos. Quando você tem uma escola bem menor, você acaba muitas vezes trabalhando com turmas multi-seriadas. Então é preciso que se trabalhe com conteúdos que articule diferentes anos ou séries com uma quantidade de alunos bem menor que na cidade. Outra diferença importante é saber respeitar o tempo do campo, que é diferente do tempo da cidade. Por esse motivo a pedagogia da alternância é fundamental e considerada a melhor forma para se trabalhar com a Educação no campo.

O que é pedagogia da alternância?

A pedagogia da alternância veio para o Brasil com influência francesa mas, tem várias escolas, organizações, as vezes não governamentais como as casas famílias rurais que usam esta pedagogia onde nela você faz um calendário mais flexível, é um calendário que, de algum modo respeite por exemplo, se é uma família que tem uma determinada cultura agrícula que precise que os pais se envolvam mais em determinado tempo do ano e os alunos por consequência também, este período passa a não ter aulas e depois eles tem aulas em outros períodos que normalmente não se teria.
Ela alterna o tempo, é um calendário mais flexível e ao mesmo tempo alterna a forma como é trabalhado os conteúdos.

Qual a finalidade da Educação no campo?

A finalidade da Educação do Campo, portanto, é oferecer uma educação escolar especifica associada à produção da vida, do conhecimento e da cultura do campo e desenvolver ações coletivas com a comunidade escolar numa perspectiva de qualificar o processo de ensino e aprendizagem.


Veja também

/// 2016 | escolas.inf.br | Política de Privacidade ///